Fugindo da presença do Senhor

Fugindo da presença do Senhor

“... Jonas se dispôs, mas para fugir da presença do Senhor...” (Jonas 1.3)  

A experiência de Jonas retratada em seu livro é um exemplo de como podemos fugir da presença do Senhor. Jonas fora comissionado pelo Senhor a ir a Nínive, capital da Assíria, para pregar contra a idolatria e a extrema crueldade contra prisioneiros de guerra (Jn 1.1-2).

Jonas, entretanto, se dispôs a fugir da presença do Senhor, escolhendo Tarsis uma cidade localizada no sul da Espanha, próxima a Gibraltar, 3200 km a oeste da Palestina, como rota da fuga. Julgava ele assim que com isto estaria longe da presença do Senhor (Jn 1.3). Porém, isto é impossível, seja qual for a distancia (Cf. Sl 139.7-12). A questão para nós é:

“Como podemos fugir hoje da presença do Senhor?” 

1. Rejeitando nosso chamado e missão

Todos somos chamados por Deus e neste chamado temos missões especificas a cumprir, relacionadas a vontade de Deus e seu propósito eterno (Cf. 1ª Pe 2.9).  O fato triste é que toda fuga da vontade de Deus implica em uma descida espiritual, como podemos ver na experiência de Jonas: 

2. Somos comissionados a fazer discípulos

“Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo” (Mt 28.19). O Senhor garante sua presença conosco: “... ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século.” (Mt 28.20). Porém, quando rejeitamos esta comissão estamos fugindo da presença do Senhor.

3. Quando não nos aproximamos do Senhor por causa de nossas obras más

“Pois todo aquele que pratica o mal aborrece a luz e não se chega para a luz, a fim de não serem argüidas as suas obras.” (Jo 3.20). Quantas pessoas vão de uma igreja para outra, ocultando pecados que não querem confessar?  Quantas fogem da disciplina, da admoestação, do ensino, do estar juntos, porque não querem o estilo de vida que o discipulado propõe?

Como na história de Jonas, sempre há uma possibilidade de voltar para a presença do Senhor, pois nosso Deus é um Deus que intervém, como Ele fez com Jonas tirando-o da barriga do grande peixe e restaurando-o em sua vocação e missão (Jn 2.1-10 e Jn 3.1-10).

“Os ninivitas creram em Deus, e proclamaram um jejum, e vestiram-se de panos de saco, desde o maior até o menor... e clamarão fortemente a Deus; e se converterão, cada um do seu mau caminho e da violência que há nas suas mãos. Quem sabe se voltará Deus, e se arrependerá, e se apartará do furor da sua ira, de sorte que não pereçamos? Viu Deus o que fizeram, como se converteram do seu mau caminho; e Deus se arrependeu do mal que tinha dito lhes faria e não o fez.” (Jn 3.1-10).

 

Tópico: Fugindo da presença do Senhor

Não foram encontrados comentários.

Novo comentário