Estratégia de Restauração da Vida da Igreja

Estratégia de Restauração da Vida da Igreja

Estratégia de Restauração da Vida da Igreja

Para nossa compreensão adequada da vida da igreja, se faz necessário conhecer sua natureza, isto é, sua origem, propósito e como ela se deve expressar nas diversas culturas. O conceito de igreja visível e invisível (institucional e místico), embora ajudem, não é suficiente para nosso entendimento a respeito da igreja. É preciso enxergá-la em sua natureza orgânica, com uma dinâmica própria que procede do Espírito Santo.

 

1. Definições Práticas

Afora outras definições (Corpo de Cristo, Noiva, Templo do Espírito, Etc...), queremos nos ater a duas definições que encerram o aspecto mais relacionado com o presente estudo:

a. A igreja em seu sentido amplo é o povo de Deus (1 Pe 2.9). A ênfase recai mais sobre a universalidade da igreja, o povo de Deus espalhado por todo o mundo; e,

b. A igreja é a comunidade do Espírito Santo (1 Co 12, 13 e 14). A ênfase são os relacionamentos práticos que destacam mais a localidade. A igreja em sua vida comunitária intensa com relacionamentos práticos e definidos.

2. A igreja e as Estruturas Paraeclesiásticas

Considerando os aspectos relacionados nas definições igreja “Povo de Deus” e igreja “Comunidade do Espírito Santo” ela difere essencialmente das estruturas Paraeclesiásticas (Denominações, Associações, Organizações Missionárias, Editoras, Seminários, Etc...).

Seguem as diferenças:

A evidência, portanto, a igreja é um organismo carismático, não institucional. A igreja é produto do Reino de Deus em sua manifestação graciosa para com todos os homens. Ela é edificada através de dons e ministérios manifestados e concedidos pelo Espírito Santo (Rm 12.7-8; Ef 4.7-17; 1 Co 12.1-11 e 1 Pe 4.10-11). A característica essencial da igreja é vida e  portanto, para serem biblicamente válidas, toda sua estrutura e forma de governo e expressão devem ser carismáticas.

3. Estrutura Bíblica da Igreja

A liderança de uma igreja deve ser levantada pelo Espírito Santo, nunca por um fato sociológico ou cultural (Ef 4.7-11). A vida e ministério da igreja devem ser construídos sobre estruturas viáveis de grupo grande (Povo de Deus) e grupo pequeno (Comunidade do Espírito Santo). No Novo testamento temos esta dupla ênfase contextualizada: “No Templo e de casa em casa” (At 5.42). A vida comunitária da igreja era centralizada nos lares. A adoração, o testemunho, ocorreram tanto no Templo como nos lares (At 2.42; At 2.46-47; At 4.34-35). O grupo grande é a cidade (Mt 5.14). O grupo pequeno é a casa (Mt 5.15). O grupo grande enfatiza a proclamação, a identidade e o testemunho. O grupo pequeno traz condições de ensino, comunhão, oração (At 2.42) e a disciplina (Mt 18.15-20 e Hb 10.34-36).

Tópico: Estratégia de Restauração da Vida da Igreja

Não foram encontrados comentários.

Novo comentário